ESC Lisboa 2018: Considerado um grande sucesso. Parabéns Portugal. Está confirmado, em 2019 o Festival Eurovisão da Canção será em Israel. Netta venceu a Eurovisão 2018 com a música "Toy". Cláudia Pascoal com a música "O Jardim" de Isaura ficaram na última posição com 39 pontos no ESC 2018.
sexta, 14 setembro 2018 10:59

Festival da Eurovisão de 2019 vai decorrer em Telavive Destaque

Escrito por OGAE Portugal

A 64.ª edição do Festival Eurovisão da Canção decorrerá no Centro Internacional de Convenções em Telavive, com as semifinais agendadas para os dias 14 e 16 de maio e a cerimónia da Final  a 18 de maio.

Telavive acolherá pela primeira vez o evento e , segundo a organização, foi escolhida num processo no qual eram também candidatas as cidades de Jerusalém e Eilat.

Israel recebe o Festival Eurovisão da Canção em 2019 depois de ter vencido a edição deste ano, em Lisboa, com o tema "Toy", interpretado por Netta Barzlilai.

O anúncio acontece dias depois de mais de uma centena de artistas de todo o mundo, incluindo de Portugal, terem manifestado apoio a um apelo de organizações culturais palestinianas para o boicote ao festival Eurovisão, caso se confirmasse que teria lugar em Israel.

Israel acolheu, em Jerusalém, o Festival Eurovisão da Canção em 1979 e em 1999, por ter vencido nos anos anteriores.

Em 1980, embora tenha vencido em 1979, o país declinou a oportunidade de organizar o concurso pela segunda vez consecutiva, acabando por passar para a Holanda.

Em maio passado, quando venceu o concurso em Lisboa, a cantora israelita Netta Barzlilai celebrou a vitória dizendo que em 2019 o festival seria em Jerusalém, algo que o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, imediatamente reforçou, para mais tarde recuar.

Na altura, o supervisor executivo do Festival Eurovisão da Canção, Jon Ola Sand, esclareceu que a decisão sobre a cidade e data do evento não estava ainda tomada e que seriam precisas reuniões com Israel, em particular com a televisão pública KAN.

A referência a Jerusalém foi feita numa altura em que os israelitas comemoravam, em maio, os 70 anos do nascimento do Estado de Israel, e o festival acabou por ser tornar num argumento de discussão política e diplomática sobre os estados judeu e palestiniano, quando as conversações de paz internacionais entre ambos continuam num impasse.

A situação política foi ainda acompanhada pela transferência da embaixada dos Estados Unidos em Israel de Telavive para Jerusalém.

Em junho, a União Europeia de Radiofusão, organizadora do festival, fez saber que pretendia um lugar "menos controverso" do que Jerusalém, cidade dividida entre israelitas e palestinianos desde 1967, e Benjamin Netanyahu concordou que o governo se afastaria da escolha da cidade.

Ao mesmo tempo, diversas organizações culturais palestinianas apelaram ao boicote, sublinhando que "o regime israelita de ocupação militar, colonialismo e apartheid está descaradamente a usar a Eurovisão como parte da sua estratégia oficial ‘Brand Israel’, que tenta mostrar ‘a face mais bonita de Israel’ para branquear e desviar a atenção dos seus crimes de guerra contra os palestinianos”.

Hoje, no anúncio da escolha de Telavive, o presidente do comité do festival, Frank-Dieter Freiling, afirmou que a organização aguarda esta semana "garantias do primeiro-ministro [de Israel] sobre segurança e liberdade de circulação para todos os que forem ao evento".

"Estas garantias são essenciais para que possamos avançar com o planeamento do evento, garantir a segurança dos visitantes e assegurar os valores de diversidade e inclusão do Festival Eurovisão da Canção", afirmou.

 

Lido 42 vezes Modificado em sexta, 14 setembro 2018 11:03
Login para post comentários

 

Apoiar o Festival da Canção e EuroFestival da Canção e eventos relacionados.

 

Dinamizar iniciativas e eventos para os sócios com artistas e protagonistas dos Certames.

 

Promover a associação junto do Grande Público, e de entidades públicas e privadas.